domingo, 29 de janeiro de 2012

SER SOMBRA...



Já fui sombra e isso me fez entender,que fui a única responsável, pela escolha do mundo em que vivia.

Temos o péssimo hábito, de achar que a vida dificulta as coisas, quando, na verdade, nós dificultamos a vida.

Nos enraizamos num mesmo lugar, esquecendo da amplidão das possibilidades,
e da imensidão das chances que a vida nos oferece todos os dias.

Abrimos mão das tentativas de plenitude, para amargar, num lugar que já conhecemos.  

Não enxergamos os espaços vagos que nos rodeiam, implorando para serem preenchidos com vida.

Não damos chances a nós mesmos.

Nos vinculamos, as nossas próprias definições, as falsas regras, que definimos como corretas.

Somos tão prepotentes, ao ponto de nos definir, quando o ser humano não se define.

Desejos, devaneios e anseios estão sempre a mudar, e com eles mudamos nós, se assim tivermos a coragem de faze-lo.

Não abrimos as portas da vida inteiramente, olhamos pelas frestas o que gostaríamos de viver.

Sonhamos com a completude que vemos em alguns, invejamos internamente, os que tem coragem, e muitas das vezes condenamos pessoas, por não conseguirmos ser como elas são.

Vivemos a deixar lacunas na alma,que não se preenchem nunca.

Carregamos, ironicamente, em nós, o veneno que nos mata dia a dia, nos fazendo serem caminhantes e vazios.

Acovardados pelas nossas próprias escolhas.

Estamos sempre ligados ao Passado, nas coisas que perdemos,
 naquilo que não realizamos, nas ações que fracassamos, no que gostaríamos de ter vivido e não vivemos... 

Presos a isso, não enxergamos Futuro.

Não acreditamos que podemos tudo, se assim quisermos.

As possibilidades de realização estão no presente, e se concretizam no futuro, e em nossa vontade de vivencia-las.

Somos cegos as chances que vem até nos todos os dias, e elas são repetitivas, mesmo que não as reconheçamos.

São as chances que a vida nos presenteia.

Permitimos, muitas vezes, que nosso carrasco interior, seja mais forte que nós. 

Permitimos que a voz de outras pessoas, nos ensurdeça a alma, que matem nossa auto estima, pela profunda falta de fé em nós mesmos.

Permitimos que desarmem nossa coragem, destruam nossos sonhos, os fazendo parecer ridículos.

Covardemente retrocedemos, e nem percebemos que estamos nos deixando manipular, por um modo de pensar oposto ao nosso.

É mais fácil ouvir a voz do outro, que ouvir nossa voz interior.

Porque um dia, se fracassarmos, nos eximimos da culpa e a jogamos ao outro.

É mais fácil ser o coitadinho, que ser o que não venceu.

Nem imaginamos, o quanto é bom saber que pelo menos tentamos, lutamos por aquilo que desejávamos e se não deu certo, foi porque não tinha que ser, mas lutamos para que fosse. 

Enquanto não deixarmos a nossa vontade, e nossos sonhos prevalecerem, jamais seremos dignos deles.

Jamais daremos a nós mesmos o direito da busca e quem sabe , do encontro.

Continuaremos a ser Sombra, daquilo que gostaríamos de ser.


Lucienne Miguel 

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

SIMPLICIDADE





Acredito que a Felicidade,
Mora no Mundo da Simplicidade.
Onde moram também o Desapego,
Vizinho da Humildade,
Que é irmã da Solidariedade.


No Mundo da Simplicidade,
Incompreendido, pelo Mundo da Materialidade,
É onde cultivamos sentimentos verdadeiros.
Regados diariamente,
Com Divisão e Acolhimento.


Neste pequeno e simples mundo,
Não vinga o que não for Verdadeiro,
Nem o que não é fertilizado com a mistura certa,
De Amor e Cumplicidade.


Na Simplicidade, só mora, 
Quem há muito deixou de dar valor ao Ter,
E decidiu pelo Ser.
Pois um, não habita o mesmo espaço que o outro.



Se me perguntar onde quero morar,
Te respondo sem pestanejar...

No Mundo da Beleza da Simplicidade.


Pois há muito tempo...
Escolhi Ser!



Lucienne Miguel



IRREAL



Na minha solidão, tenho sonhos de acolhida,
Que nunca se concretizam.
Que me fazem caminhar, sem ter onde aportar.


Sou eu quem acolhe.
Sou eu quem compreende.
Sou eu quem se doa.


Imagino que deva ser bom ser aconchegada,
Cuidada ... Amada.
Dentro dos loucos sonhos de divisão que tenho.


Quando dói eu me tranco,
Vou para um lugar só meu,
Onde tento me curar do que machuca.


Talvez o que eu ofereça, 
Seja pouco demais.
Ou grande em demasia, nem sei mais.


Na verdade, não cabe a ninguém...


No meu pequeno esconderijo,
Me vejo refletida em águas transparentes,
Um olhar triste de desejos pendentes.


Neste canto que me acolhe,
Sou quem sou, 
E ele nada me pede.


Ele sim me oferece,
O que de bom há na vida.
Aqui, encontro a paz que desejo.


Queria que ele tivesse braços,
Para que seu abraço fosse real.
Mas onde me aconchego, é um mundo irreal.


Aqui, me sinto bem,
Talvez  seja por me sentir aceita,
Por me sentir livre.


Aqui, ninguém me tolhe o viver,
Nem me atinge,
Me fazendo um nada, a sofrer.


Meu lindo canto da fuga,
Onde um dia vou morar para sempre,
Ainda é o único lugar que me sinto plena.


Na verdade, 
No mundo da realidade,
Sou objeto, não um ser.


Aqui, sou puro sentir,
Acolhida e Aconchegada,
Integrante da natureza,
Ser vivo e reluzente,
Transparente,
Como a água em que mergulho. 


Lucienne Miguel 







  



Elementos...



Todos, carregamos em nós, vários elementos,
Mas cada um, cultiva o que melhor lhe cai.
Uns mais de um, outros todos.


Os que querem carregar todos,
Caminham sem saber quem são,
Sem saber o que sentem, nem para onde vão.
Vivem no Eterno Labirinto das Dúvidas.


Vivem, a se perder de si mesmos,
Vivem, a se perder na vida.
Vivem, a se perder das pessoas.
Nem mesmo se compreendem.


Tendenciosamente, são os que mais julgam, 
E o que menos oferecem.
Exigem posturas, 
As quais não tem o direito de exigir.


Caminham perdidos até de si próprios,
Não acham respostas, 
Para nenhum de seus questionamentos.
Querer ser tudo, é escolher ter duvidas eternamente.


Quando um ser se posiciona
E deixa vir a tona, o Elemento que mais lhe cabe 
Tudo fica mais nítido,
Mais alinhado e posicionado.


Saber o que se quer,
É primordial para se encontrar,
Para tentar se compreender,
Para se conseguir equilíbrio.


É ser um pouco mais coerente,
Pois sabe de que material é feito,
Das sua forças e fraquezas.
Daquilo que o anula e do que lhe faz crescer.


Não se compreender, é parte do Ser Humano,
Como também a multiplicidade,
Mas se não a controlarmos,
Nos tornaremos um Caos Humano.


Somos todos Água e Fogo,
Terra e Ar,
Mas temos que ser mais apenas um destes de cada vez.
Alimentar o que mais nos cabe na situação que se apresenta.


Se libertarmos todos,
Perdemos o controle,
Perdemos a sanidade,
Jamais saberemos quem somos.


Não é fácil fazer a escolha,
Muito menos mante-la.
Mas não podemos manter opostos,
Em guerra dentro de nós.


Uma hora ou outra,
A escolha deve ser feita.
Equilibrar-se e ser Coerente,
Será o que nos trará um pouco de Paz.


Se você é Água, que seja transparente e limpa.
Se você é Fogo, que seja para aquecer.
Se você é Terra, que seja fértil.  
Se você é Ar, que seja vento manso e tranquilo.


Se desejar ser múltiplo,
Nada te impedirá,
Será só equilibrar seus Elementos,
E conviver com eles de forma pacífica. 


Escolha o que melhor lhe cabe,
Ou  o que melhor cabe no seu momento,
Mas jamais escolha o negativo,
Que todos os Elementos oferecem.






Lucienne Miguel







quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

ASAS!



Descobri, que tenho lindas asas transparentes, mas brilhantes.

Sou livre, se desejo usá-las,
E depois que as descobri...
Quero usá-las sempre.

Na leveza da liberdade que me dão,
Encontro a paz que desejo,
Posso ir além de mim,
Para um mundo, que eu desconhecia.

Na realidade, minha sede de liberdade, sempre existiu.
Eu sempre inventei desculpas para ela.
Era mais fácil que, lutar por ela.

Quanto tempo eu perdi?
Muito, muito tempo...
Mas nada há que eu não possa mudar.

Sou livre no meu pensar...
Sou livre no meu agir...
Sou livre para escolher ir ou vir.

Isso me completa, como nenhum ser humano é capaz.
Eu me completo,
O que virá, só será acréscimo.

Saber que posso mudar meu sim, por um não...
Meu não, por um sim...
Fazer o que realmente quero,
Isso é Liberdade.

Minhas asas me ensinaram que sou livre,
Não sou obrigada a me vincular a nada,
A não ser que, Eu assim o deseje.

Me deram a dimensão exata da vida.
Me deram o essencial, o Amor por mim mesma.
Sendo assim, sou puro amor,
Mas que só o entrego, a quem o mereça.


Por quanto tempo?
Não sei...
Pode ser eterno...
Mas pode morrer, 
Dependendo de como ele é tratado.


Aprendi a liberdade,
E é isso que ofereço a todos ,
Como a mim, foi oferecida pela vida.
Nada vinga sem ela!


Aprendi a dar as pessoas o meu melhor,
Mas aprendi também,
A oferecer, o que cada um merece.
Uns, meu tudo,outros, pedaços de mim,
Porque poucos, merecem meu inteiro.


Pode parecer cruel,
Que assim seja,
Hoje sou desta forma,
E não quero mudar jamais.


Minhas asas transparentes, 
Das quais não abro mão,
Me ensinaram que eu voarei sempre só,
Independentemente,do que eu possa oferecer.



Lucienne Miguel 






terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Abra os olhos!



Te ensinaram desde pequena a ler Contos de Fadas?
A acreditar em Príncipes Encantados?
A desejar uma vida perfeita?


Mães cometem erros cruéis, sem saber.
Criam meninas para serem princesas, 
E meninos para serem "machos no cio".
Uma combinação, que jamais dará certo.


Metades da laranja, não se unificam mais,
São metades, não inteiras.
Portanto pare de sonhar!
Encarar a realidade, te decepcionará bem menos.


Afinal, seria uma chatisse, se tivéssemos que viver com alguém igual a gente.


O que encanta, são as diferenças.
O trabalho diário de entender isso,
Faz com que por amor,
Compreendamos o outro, e o amemos tal como ele é.


Se busca Alma Gêmea,
Tem que ter consciência de que é tarefa quase impossível,
Pois, determinaram isso, como algo surreal.
Jamais encontrará a pessoa perfeita.
Simplesmente, porque pessoas perfeitas não existem.


Não crie regras para a vida,
A vida não segue regras.
Não crie normas de conduta,
Pois cada situação deve ser conduzida de forma diferente.


Ninguém tem que ser assim...
Ou "assado".
Isso é incoerência pura.
Cada ser é único, sob todos os prismas.


Se você tem uma fórmula de felicidade,
Já está a um passo, de jamais consegui-la.
Felicidade vem no tempo,
E se vai com ele.


Não espere felicidade eterna!
O que nos faz dar valor a ela, 
São as dores, pelas quais temos que passar.
Sem infelicidade, você jamais dará valor aos momentos felizes.



O bom da vida, é a luta,
É guerrear o dia-a-dia, lado a lado, com quem amamos,
É construir um mundo a parte,
Onde, por mais que se possa discordar,
Aprendemos a aceitar e amar o "ser" do outro.


Abra os olhos!
Veja a vida tal como ela é...
Imperfeitamente perfeita!


O que muitas vezes te completa, pode ser seu oposto,
Na mistura dos sabores e dissabores,
É que realmente vai conhecer o tamanho do seu amor,
E o quanto vale a pena trabalhar este amor.




A maior de todas as incoerências humanas,
Está na tentativa de mudar quem se ama.
Adequá-lo ao que você deseja que ele seja.




Ame-o... Ou deixe-o.
Pois nesta história, se houver a mudança que deseja,
Não terá mais o homem por quem se apaixonou,
E sim, um projeto de pessoa que se moldou por você.




Isso será a transformação do amor,
Ele sem essência, sem alma,
Você, sem admiração, se achando poderosa.
Campo perfeito para a proliferação do rancor.




Abra os olhos!
Aprenda com as diferenças.
Seja feliz, apesar delas.
Ame seu  Amor Imperfeito




Não é ter Perfeição,
E sim Compreensão, 
Aceitação e Cumplicidade
Que te fará ter,
A mais linda e perfeita, forma de Amar...
    


Lucienne Miguel




segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Sementes...



Existem momentos, em que não dá mais para adiar,
São os momentos de plantar,
Se você quiser colher.


Na lição da Semeadura,
Só se colhe o que se planta.
Não plantar, será só carregar as cestas do vazio.


É como passar por aqui e nada deixar.
Ou pior, 
Deixar o Nada!


Plantar suas escolhas, é tarefa sua.
Escolher a colheita, também.
É simples assim...


Como é bom colher os frutos de Amor retribuído,
De Amizade concretizada no tempo,
De Paz Interior, vindo da Consciência Tranquila.


Quem povoa o Céu de alguém de Estrelas,
Jamais caminhará na escuridão.
Quem planta Alento, colhe Acolhida.


Mas existe tempo para isso,
Sementes não florescem em terreno infértil,
Nem em terra seca.


Talvez ainda haja tempo de plantar.
Não perca seu tempo a divagar,
Coloque seus desejos de colheita em prática.


Plantar dá trabalho,
Necessita de empenho e cuidados.
Mas sempre vale a pena,
Os frutos cairâo em suas mãos.


Na realidade, estamos a plantar a todo instante,
Só devemos ficar atentos,
Ao que estamos a plantar,
Pois com certeza,
Será o que iremos colher.


Portanto, preste bem atenção em suas sementes,
Analise-as muito bem.
Se achar que plantou erradamente,
Saiba que tem a chance de refazer o plantio.


Só não perca tempo!
Se deixar passar demais os momentos de plantio,
Nada mudará o que irá colher.



Lucienne Miguel